quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Nova expansão de Steam!

Por Wagner Rodrigues

E os fãs de Steam recebem uma boa notícia!

A Mayfair Games anunciou o segundo mapa de expansão para o jogo!



Steam: Map Expansion #2 trará 3 novos mapas: China, Grã Bretanha e Califórnia.

O jogo deve estar nas lojas lá fora em março de 2012.

Como bom mineiro, Wagner Rodrigues é viciado em pão de queijo. Respira jogos de tabuleiro, come tutu de dados com farinha de meeples no almoço e é um dos sócios da FunBox Ludolocadora, a primeira locadora de jogos de tabuleiro do país.

3a Etapa do Campeonato de Catan!

Por Wagner Rodrigues

E neste fim de semana acontece a terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Catan! Não deixe de participar!

ludus luderia
Clique para ampliar

Como bom mineiro, Wagner Rodrigues é viciado em pão de queijo. Respira jogos de tabuleiro, come tutu de dados com farinha de meeples no almoço e é um dos sócios da FunBox Ludolocadora, a primeira locadora de jogos de tabuleiro do país.

Vai Goblin, Vai!

Por Wagner Rodrigues

E a Twilight Creations anunciou seu mais novo título.

Go Goblin, Go! é um jogo de estratégia que envolve jogar goblins em um poço de fogo (ao menos o tema parece divertido rsrs)!


Segundo a empresa, em Go Goblin, Go! cada jogador será um mestre que sem ter mais nada o que fazer na vida decidiu se divertir queimando os pequenos seres verdes. Você escolherá secretamente seus favoritos que estará a caminho das chamas. Você vai ganhando pontos até o goblin cair no fosso (depois disso ele para de dar pontos pois estará morto, óbvio). Haverá um elemento de aposta, mas nada se sabe ainda como será.

Go Goblin, Go! está programado para lançamento em maio deste ano.

Como bom mineiro, Wagner Rodrigues é viciado em pão de queijo. Respira jogos de tabuleiro, come tutu de dados com farinha de meeples no almoço e é um dos sócios da FunBox Ludolocadora, a primeira locadora de jogos de tabuleiro do país.

Dados e o ódio por eles

Por Gabriel Lopes

Dados: deixam os jogos menos estratégicos?

Em muitos jogos o dado faz papel de um evento aleatório, o problema é quando esse evento aleatório não pode ser controlado de nenhum modo pelo jogador. Muitos jogos fazem você rolar dados e depois “se virar” com o que sair. Isso traz muito transtorno e deixa as pessoas com ódio de jogos onde o fator da aleatoriedade é mais importante que a estratégia.

Será que os dados são controláveis?

Há, porém alguns jogos em que se usam dados, mas que eles não fazem o papel central do jogo e há como modificar ou até ignorar seus valores. Muitos jogadores mais hardcore fazem até cara feia quando você vai apresentar algum jogo em que use dados para gerar eventos aleatórios.

Um exemplo de jogo em que o dado é presente, porém pode ser fazer bom uso das combinações possíveis é o Stone Age. Nele você rola dados sempre que for pegar algum recurso e divide por um número que serve para mostrar o quão difícil é pegar tal recurso. A primeira vista parece ser sorte pura. Para pegar madeira, por exemplo, divide-se o valor dos dados por 3 ou seja, se você colocar um meeple e rolar apenas um dado tem 50% de chance de pegar uma madeira. A coisa muda, porém ao colocar 2 meeples, já que a combinação de valores em 2 dados mais comum de se sair é o 7(que ao se dividir por 3 da 2 madeiras) a mesma coisa acontece com 3 dados(os valores mais comuns são 10 e 11, resultando no caso de madeiras em 3), etc.

Stone Age e seus dados

Outro jogo a usar dados, o Troyes, nele os dados são seus workers e você rola todos os dados que você tem no começo de cada rodada, umas das opções é rerolar um dado (por um preço do jogo) ou mudar para a face de traz até 3 dados (1 se transforma em um 6, 2 em 5, etc), além disso você também pode comprar dados de outras pessoas, fazendo com que o valor rolado não seja tão importante no jogo.

Os dados em Troyes

Muitos wargames também utilizam dados para saber se determinada batalha foi ganha, em sua maioria existem vários bônus para se adicionar a rolagem (como terreno, número de combatentes, tipo de unit usada, etc.) de modo que a estratégia passe por cima da pura sorte.

No fim os dados vão estar sempre presentes em muitos jogos, e desde que eles não ditem quem vence e quem perde no jogo, não vejo problema com eles.

Quer conhecer jogos que usam dados de forma inteligente? Venha na FunBox!

Gabriel Lopes mora em Santos e por muito tempo foi viciado em Magic: The Gathering. Há um tempo entrou de cabeça no mundo dos boardgames, e fica cada dia mais viciado. Fã de dungeon crawlers e eurogames pesados.


Lançamentos 2011: Dr. Shark Board Game

Por Ricardo Stávale

Pacífico Sul: O famoso Dr. Shark, um personagem misterioso, fortemente suspeito de chefiar uma organização criminosa secreta, está organizando uma festa em sua ilha privada.


Você é um agente secreto e acaba de receber uma mensagem de texto criptografado: "Coquetel organizado por Dr Shark – provas importantes provavelmente escondidas na piscina - Participar de festa e recolher provas - Cuidado com os tubarões Convite segue pelo correio EM CASO DE FALHA negaremos total conhecimento de suas atividades ".


Você vai conviver com outros hóspedes na recepção. Sua missão: Mergulhar na piscina para recuperar pistas escondidas pelo infame Dr. Shark - sem cair para os tubarões debaixo da água!


De volta à superfície, você vai tentar agrupar as suas pistas para formar provas. O agente secreto que reunir o maior dossiê contra o Dr. Shark terá o privilégio de colocá-lo atrás das grades. Missão cumprida. Os outros agentes secretos serão jogados na piscina.


Dr. Shark traz uma sensação nova para a ideia de um jogo de destreza com os jogadores confiando em seu sentido do tato para descobrir provas contra este malfeitor. Os jogadores têm apenas trinta segundos por mergulho para recuperar possíveis pistas a partir do fundo da piscina, usando seus dedos para detectar forma de um objeto e textura.


Dr. Shark pode ser jogado individualmente ou em equipes.

(fonte)

Ricardo Stávale é caiçara de Itanhaém, arquiteto de sistemas, baixista e pai sem manual de instrução. Verdadeiro fã de jogos de tabuleiro e RPG, atualmente é responsável pelo blog Redomanet.

Lançamentos 2011: Deathwatch: The Jericho Reach

Por Ricardo Stávale

A Fantasy Flight Games anunciou o lançamento de The Jericho Reach, um suplemento para o RPG Deathwatch. Este livro abrangente fornece informação em profundidade sobre as lutas das equipes que atualmente operam em todo o Reach.


Cada capítulo detalha sobre as personalidades e os planetas, oferecendo a jogadores e mestres tanto recursos importantes para a integração quanto a configuração mais aprofundada em suas campanhas.


Este suplemento também vem com uma aventura completa, que se passa na Fortaleza Erioch.


Após receberem um sinal de socorro de dentro de um planeta infestado de Tyranid, a equipe de Deathwatch é imediatamente despachada para investigar. Agora, eles devem lutar contra adversários monstruosos, enquanto trabalham para descobrir a fonte da mensagem estranha. Mas eles podem resolver os mistérios deste mundo devastado pela guerra?

(fonte)

Ricardo Stávale é caiçara de Itanhaém, arquiteto de sistemas, baixista e pai sem manual de instrução. Verdadeiro fã de jogos de tabuleiro e RPG, atualmente é responsável pelo blog Redomanet.

D&D: The Dungeon Survival Handbook

Por Hélio Greca

A Wizards of the Coast anunciou que lançará em maio o The Dungeon Survival Handbook, um novo suplemento para Dungeons & Dragons com dicas úteis para que seus aventureiros saiam vivos da incursão a um dungeon.

Confira a apresentação do Dungeon Survival Handbook:

Dungeons retêm tudo o que um aventureiro poderia desejar: riquezas incalculáveis para saquear, novas áreas para explorar, feras perigosas para desafiar e estranhas sociedades para navegar. Um aventureiro comum acostumado a uma vida mais leve no mundo da superfície pode obter pouco em um calabouço e considerar isso uma vitória gloriosa.


(fonte)

Hélio Greca é jogador inveterado e criador do site Rocky Raccoon. Coleciona moedas do Império Romano e aprecia incondicionalmente um bom livro, história, charutos e vinho. De preferência tudo junto.

Tá assando! E já vai sair do forno!

Por Vince Vader

Só um teaserzinho pra esquentar os preparativos de lançamento. Que será que vem aí, hein?


Nham!

(fonte)

Vince Vader é jogador de board games, card games, war games, miniature games e videogames. Game designer, também é responsável pelo blog Game Analyticz. Se é game, estou jogando.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Farrapos: Melhor Wargame Grátis de 2011

Por Wagner Rodrigues

E os brasileiros ficaram orgulhosos de mais um marco na história dos jogos de tabuleiro!

Júlio Trois, editor-chefe da Ludo Brasil Magazine anunciou ontem pelo Facebook que foi surpreendido com a comunicação que o seu board game Farrapos foi premiado como Melhor Wargame Print & Play de 2011 (dividindo o prêmio com mais 2 jogos) em uma premiação promovida pela comunidade do site americano BoardGameGeek!


O título disputou e empatou com outros 3 jogos: Battle of Mollwitz, The, April 10, 1741 (do americano Chris Salander), Sink the Carrier (do espanhol Esteban Fernandez) e Three Way Cube (da editora alemã HABA)

    


Confira a apresentação do jogo:

No dia 20 de setembro de 1835, teve início a mais longa e mais sangrenta revolução da história do Brasil. Na então província de São Pedro do Rio Grande do Sul, foi proclamada a República Rio-Grandense, durante quase 10 anos, tropas leais ao Império travaram épicas batalhas contra as tropas da nova República!

É campeão! [ )]

Farrapos é um board game para 2 jogadores, desenvolvido por Julio Trois, que tem como tema a Revolução Farroupilha. Durante 11 fases cada exército deverá conquistar o maior nº de cidades, somando o máximo de pontos possíveis.

Farrapos é um jogo tático, onde a estratégia militar é fundamental, cada jogador deve organizar suas tropas compostas por tiles de Infantaria, Cavalaria e Artilharia. Os combates são realizados ao estilo dos melhores war games, com dados e tabelas para a resolução das batalhas.

E claro que a FunBox fez uma entrevista com o Júlio! Confira!


FunBox: Olá Júlio! Primeiramente, parabéns por este grande marco na história dos jogos de tabuleiro. Conseguir uma premiação internacional é um grande orgulho para todos nós! Bem, conte-nos um pouco como foi participar desta premiação.
Júlio: Muito obrigado! Foi tudo uma grande surpresa, eu não tinha a menor idéia que estava participando, não houve inscrição, nada. Ontem à noite acessei o BGG, como sempre faço todos os dias, e havia uma mensagem, nela o pessoal me comunicava da premiação.

Pelo que pude depois ver, meus jogos Farrapos, Cisplatina e Paraguay foram indicados pela comunidade e, o Farrapos foi finalista, ganhando o prêmio empatado com outros 2 wargames.

Exemplo de partida

FunBox: Por que você acha que Farrapos foi o favorito dentre seus outros jogos?
Júlio: Pela simplicidade de sua essência. Ele é indicado tanto para jogadores que desejam jogos mais estratégicos, como os iniciantes nos wargames, as regras são simples, o mecanismo de combate é direto, balanceado, então agrada tanto os que já gostam dos wargames como os que estão iniciando.

O jogo requer muito cuidado nas ações, pois como na guerra real, no inicío as tropas Farroupilhas eram muito mais poderosas, mas na 2ª metade do jogo, isto inverte, então é preciso saber o momento certo de atacar e se defender.

O tabuleiro

FunBox: Conte-nos um pouco como foi a criação de Farrapos.
Júlio: O jogo foi desenvolvido em um período muito complexo de minha vida, eu estava morando longe da minha terra (Porto Alegre) e estava passando por um momento de muita saudade... quando comecei a desenvolver o jogo, tudo foi muito intenso, a história da Revolução Farroupilha é muito intensa para nós gaúchos, há muito orgulho das pessoas que lutaram na guerra. As vezes é difícil para as pessoas entenderem esta nossa relação histórica, alguns acham que é porque os gaúchos gostam de ser independentes, mas não, o fator principal é a questão mais abrangente, liberdade, sonhos, querer um futuro melhor para seus filhos...

Com base nestes sentimentos, desenvolvi o jogo, incialmente ele possuia cartas, usando uma mecânica que desenvolvi em outro jogo meu, um card game, mas o resultado ficou muito baseado na sorte, então resolvi começar do zero, foquei na estratégia, apesar de possuir dados, o jogo é baseado em um tabela de combate simples, mas bem balanceada, que diminui drasticamente o fator sorte.

Peças do jogo

FunBox: Existem chances de vermos Farrapos sendo um dia publicado por alguma editora?
Júlio: O sonho sempre existe, mas sei que é muito difícil, o foco das editoras não são jogos de guerra ou históricos... Já recebi algumas sondagens, mas não passou disto, mas não desisto, pode ser que mais adiante o senário mude, e haja um interesse no Farrapos.

FunBox: Júlio, muito obrigado pela entrevista e com certeza a FunBox e seus leitores estão torcendo para que você ganhe muitas outras premiações! Para terminar, conte-nos um pouco sobre seus planos para o futuro!
Júlio: Muito obrigado, estou muito feliz e, receber palavras amigas é melhor ainda!

Estou trabalhando na finalização de mais um jogo, ele é ambientalizado na época das minas de ouro e diamante em Minas Gerais, é um jogo bem leve, com uma mecânica conhecida, com algumas alterações que conferem mais estratégia ao jogo e uma maior interação.

Também estou trabalhando em um jogo sobre a Revolução Industrial na França, tá ficando bem legal, é um jogo econômico, acho que o pessoal vai gostar!

Os dois jogos serão lançados print & play ainda este ano.

Agradeço muito a oportunidade de falar a seus leitores!


E agora, clique aqui para fazer o download de Farrapos!

Como bom mineiro, Wagner Rodrigues é viciado em pão de queijo. Respira jogos de tabuleiro, come tutu de dados com farinha de meeples no almoço e é um dos sócios da FunBox Ludolocadora, a primeira locadora de jogos de tabuleiro do país.

The Big Bang Theory: The Party Game

Por Hélio Greca

A Cryptozoic Entertainment anunciou que lançará em abril o The Big Bang Theory: The Party Game, um jogo de cartas para 3-7 jogadores com mecânica similar ao Apples to Apples.

sheldon cooper

Confira a apresentação do jogo:

Gênio é relativo em The Big Bang Theory: Party Game, um jogo viciante que permite que você e seus amigos revivam os momentos inesquecíveis da série de TV. Não importa se você tem um Ph.D. na ciência da série "The Big Bang Theory" ou está descobrindo agora o mundo de Leonard, Sheldon, Howard, Raj e Penny - os risos e a diversão são garantidos.

Apenas distribua as cartas e todos estão prontos para jogar! A cada rodada um jogador assumirá o papel de árbitro e mostrará uma carta. Os outros jogadores irão apresentar cartas que melhor descrevam a categoria ou a descrição da carta jogada pelo árbitro.

O árbitro concede pontos a partir da descrição de cada jogador, e então inicia a próxima rodada com novas cartas e uma nova categoria.

Mas cuidado - existem no baralho várias cartas no que podem alterar a categoria ao acaso! Com cerca de 300 cartas que variam de Space Poop (cocô espacial) a Super Powers e Goth Chicks até Horny Engineer, The Big Bang Theory: Party Game tem tudo o que você mais gosta na série - na ponta dos dedos.

Ainda não conhece Apples do Apples? Venha jogá-lo na FunBox!

(fonte)

Hélio Greca é jogador inveterado e criador do site Rocky Raccoon. Coleciona moedas do Império Romano e aprecia incondicionalmente um bom livro, história, charutos e vinho. De preferência tudo junto.

Card Goblins – Financiamento Coletivo

Por Hélio Greca

O amigo Tiago Junges, autor do RPG Mighty Blade e também conhecido como Coisinha Verde, iniciou o financiamento coletivo do jogo de cartas Card Goblins.


Card Goblins é um dinâmico jogo de cartas (não colecionável) nos moldes de Munchkin, onde cada jogador controla uma horda de goblins caóticos e fracotes, brigando para ver quem será o seu rei.

Para produzir este jogo o Tiago precisa da sua colaboração! O dinheiro arrecadado será usado para a produção do material do jogo (um baralho com 60 cartas de jogo e 10 cartas de tesouros, caixa e manual de regras), registro, distribuição e divulgação.

Caso a arrecadação atinja R$5.000,00 o jogo ganhará também sua primeira expansão: GOBLINS PIRATAS! Todos que ajudaram com R$30,00 ou mais ganharão um pacote da expansão (com 15 cartas inéditas)!

Colabore aqui e ajude este projeto a se tornar realidade. Com apenas R$20,00 você já garante seu baralho!


(fonte)

Hélio Greca é jogador inveterado e criador do site Rocky Raccoon. Coleciona moedas do Império Romano e aprecia incondicionalmente um bom livro, história, charutos e vinho. De preferência tudo junto.

Novas Espansões Para Killer Bunnies

Por Hélio Greca

A Playroom Entertainment anunciou que lançará em 2012 duas expansões para o jogo de cartas Killer Bunnies and the Quest for the Magic Carrot.


A expansão Red Booster Deck será lançada em abril, e a Violet Booster Deck em setembro.

Cada expansão adiciona 55 cartas grandes e 10 cartas pequenas ao jogo, assim como uma nova cor de dado (d12). As novas cartas incluem personalidades adicionais e novos ataques e defesas.

Killer Bunnies é um jogo de cartas dinâmico e repleto de ação, onde os jogares tentam manter a maior quantidade possível dos seus coelhos vivos, enquanto tentam eliminar os coelhos do oponentes.

(fonte)

Hélio Greca é jogador inveterado e criador do site Rocky Raccoon. Coleciona moedas do Império Romano e aprecia incondicionalmente um bom livro, história, charutos e vinho. De preferência tudo junto.

Lançamentos 2011: Hawaii

Por Ricardo Stávale

O sol, o mar aberto, e uma suave brisa. Cinco havaianos estão desfrutando da praia e do sol e todos concordam que a escolha mais recente do cacique foi boa e o título merecido.


Cada um se gaba de que da próxima vez, ele será o escolhido. Para demonstrar o seu valor eles devem construir a aldeia mais bonita da ilha.


Em Hawaii os jogadores jogam em um tabuleiro variável que é diferente para cada partida. Assim, os jogadores devem ajustar as suas estratégias para o terreno de cada jogo, a fim de ser bem sucedido.


O jogador que conseguir encontrar as melhores táticas para o conselho oferecido vai ganhar o jogo e a admiração dos outros jogadores. Os jogadores terão de decidir quando e o que irão construir, quando comprar e quando esperar.


(fonte)

Ricardo Stávale é caiçara de Itanhaém, arquiteto de sistemas, baixista e pai sem manual de instrução. Verdadeiro fã de jogos de tabuleiro e RPG, atualmente é responsável pelo blog Redomanet.

Todo carnaval tem seu fim

Por Carlos Couto

Depois de uma semana dedicada as folias carnavalescas, o E Aí, Tem Jogo? volta a programação normal com algumas notinhas para vocês.

— A vencedora da 2ª Etapa Brasileira do Campeonato de Catan foi a jovem Nina Sparovek. Aliás tirando um veterano, a mesa final foi só de gente jovem, que venham as outras etapas.

Taí a pequena Nina levando essa etapa.

— Está rolando um crowdfunding para a reimpressão do ótimo Vanuatu. Taí uma boa oportunidade.

— Com um pouco de atraso, taí para vocês a video-resenha do clássico Puerto Rico. Feita novamente pelos amigos da aBoard Games.


(fonte)

Carlos Couto é carioca, publicitário, Flamengo, curte rock'n'roll, cerveja e jogos de tabuleiro. Atualmente é responsável pelo blog E Aí, Tem Jogo? e está sempre junto nos eventos cariocas.